sábado, 28 de março de 2015

Diário de Caio / FINAL :'(

Já tem três semanas que vi o Diogo, eu soube até que ele e o Mateus estão juntos. Gostei de disso por que é ótimo saber que ele seguiu em frente.

E nessas últimas três semanas o meu namoro com o Alex fortaleceu. Fizemos um jantar em família e foi perfeito.

Estamos pensando em viajar nas férias, eu não consigo mais ficar sem ele e em todos os lugares que eu vou eu penso nele, eu acreditava que o namoro ficaria mais frio depois de algumas semanas, mas percebi que o nosso fortaleceu.

Penso em ir até a casa do Alex e quando abro a porta do meu quarto dou de cara com ele.

– Pensei em ir à sua casa agora – eu disse.

– Nós temos uma química tão forte que até os nossos pensamentos são iguais – disse Alex entrando no meu quarto.

Beijou-me e deitou em minha cama.

– Mas acho que você esqueceu – ele disse.

– Esqueci-me do que? – perguntei curioso por que eu esqueci mesmo.

– Tá vendo como esqueceu – disse sorrindo. – Combinamos de ir a praia hoje não lembra?

– Lembrei.

Peguei uma mochila e coloquei algumas coisas que iriamos precisar.

– Pronto – falei sorrindo para o Alex. – Vamos?

Demorou uma hora para chegarmos ao local.

Chegamos, fomos para a casa de praia cujo pai dele comprou tinha pouco tempo.

– Gostou? – perguntou Alex.

– Eu mais que amei – respondi.

– Sabe que tudo isso aqui é nosso né? O que é meu é seu.

Ele me abraçou, beijou e depois fomos curtir por que o final de semana iria ser longo.

Depois daquele fim de semana veio às férias de fim de ano e decidimos ir para Toronto. Tudo era lindo, mas estando com ele se tornava mais lindo e ganhava mais alegria. 

ELE FOI A MELHOR COISA QUE ACONTECEU EM MINHA VIDA.

Não sei se existe finais felizes em todas as estórias. Mas sei que existem momentos perfeitos.

E SÃO ESSES MOMENTOS QUE VIVO E IREI VIVER MUITO COM O ALEX. 

FIM.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Diário de Caio / Parte 10

Antes que eu saísse Alex corre e puxa meu braço e logo diz:

– Caio, por favor, olha para mim – ele fala em um tom triste. – Você acha que eu seria capaz de fazer isto?

– Eu diria que não se eu não tivesse visto – respondi.                                               


– Mas você viu completamente errado – disse ele.

– Desculpa-me – disse Marcos. –Ele não viu errado.

– Que? – perguntou Alex. – Não foi você que me agarrou quando eu vim ao banheiro? E parece que você estava me esperando aqui tem um tempinho.

– Você que me ligou marcando aqui Alex. – disse Marcos.

– Então por isso você disse que perdeu o celular Alex? – perguntei. – Parece que desligou né?

– Meu celular foi roubado – gritou Alex. – Caio, olhe nos meus olhos e diga se acredita em mim ou nele?

– Eu acreditaria em você se não fosse à situação que acabei presenciando – falei e olhei na direção do Marcos. – Você me disse que gosta do Diogo.

– Gosto mesmo, mas não iria perder a oportunidade.
 – disse ele pegando o celular do bolso. – Está aqui. Seu namoradinho me ligou.

Eu não sabia em quem eu acreditava, todos os fatos me faziam entender que o Alex quis mesmo me trair e com o Marcos. Mas a situação mudou quando Diogo entrou no banheiro.

– Caio você demorou – entra e fecha a porta do banheiro. – Achei que você tinha ido embora e vim te procurar.

– O que ele está fazendo aqui? – perguntou Alex.

– Ele veio jantar comigo – respondi com uma voz de raiva e eu odeio falar com ele assim. –Vim da um ponto final neste negócio dele dizer que ainda me quer. Mas se você não combinou com ele Alex, veio fazer o que aqui então?

– Eu vim para jantar com meus pais – respondeu-me. – Eu combinei tudo com minha mãe hoje pela manhã. Você estava lá em casa Diogo, lembra? Ai quando você saiu eu percebi que o meu celular tinha sumido.

Tiro meu celular do bolso e ligo para o celular do Alex que chama, chama, chama até que alguém atende.

– Alô quem é?

– Alô é Caio.

– Oi Caio. Esse é o novo número do Diogo. Ele saiu e esqueceu o celular aqui no quarto dele e quando eu entrei para arrumar vi chamando e atendi...

Desligo o celular e olho para Diogo e Mateus.

– Infelizmente não foi dessa vez que vocês conseguiram acabar com uma relação.

Vou em direção a Alex e o beijo muito. Damos nossas mãos e vamos embora deixando os dois sozinhos.

Depois passamos pelo salão do restaurante, avisamos aos pais do Alex que vamos embora. E deixamos o local. E sinceramente nem penso em voltar aqui. 

CONTINUA... 

Diário de Caio / Parte 9

Quando acordo e olho no celular, vejo que já é noite. Acordo o Alex para avisar que vou embora, saiu e percebo que ele volta a dormir.


Quando chego em casa, tomo banho, janto e penso em assistir algo, mas quando sento no sofá, recebo uma mensagem do Diogo, pedindo para eu o encontrar em um restaurante aqui perto da minha casa, porém nunca fui ao restaurante. Penso se devo ir ou não e acabo indo para apenas colocar um ponto final nesta nossa situação.

Chego, entro no restaurante e ele manda uma mensagem dizendo que está no segundo andar. Subo, vou até a mesa que ele está e me sento.

– E ai? – Pergunta ele. – Pensei que você não iria vim.

– E eu não iria vim mesmo – respondi. – Parece que você ainda não percebeu que a nossa relação acabou.

– Caio, não acabou – disse ele em um tom irritado. – Só acaba quando eu digo que acabou.

– Mas você disse – gritei, e todos que estavam no restaurante olharam em minha direção. – Você disse quando foi embora.

– Mas eu estou de volt...

– Mas agora não é a mesma coisa Diogo – eu disse o interrompendo. – Você não entende que agora eu encontrei outro alguém, você me deixou e quando aconteceu eu não encontrei palavras para descrever o quanto sofri. Mas felizmente outro alguém apareceu, prendeu minha respiração, me salvou do mundo que você deixou. E agora não adianta querer voltar. Foi você que me deixou perdido e o Alex que me encontrou.

– Você não esperou eu terminar de falar.

– Desculpe-me. Continue.

– Estou de volta, percebi que você estava com outra pessoa e eu não quis aceitar, porém vejo que você está feliz – disse ele pegando em minha mão. – Eu ainda gosto de você bastante, mas não irei ficar entre você e o Alex. Desejo a você toda sorte nesse relacionamento.

– Obrigado.

Conversamos bastante. Falamos sobre tudo música, séries, filmes, vida pessoal até me dá uma vontade de ir ao banheiro. Desço até o andar de baixo e pergunto a alguém onde é o banheiro a pessoa me leva até a porta.            



Quando entro, vejo o Alex e o Marcos aos beijos. Eles pararam e olharam para mim. Eu não disse nada por que estava paralisado com a cena. Depois apenas me viro e vou embora.

terça-feira, 17 de março de 2015

Diário de Caio / Parte 8

Chego à casa do Alex e bato a campainha, ele abre a porta e percebo bem que ele está usando uma cueca branca. Não falo nada apenas eu entro e nós vamos direto para o quarto e quando ele fecha aporta do quarto começo a falar:

– Cara você está aqui de boa não foi para o colégio e quando ligo cai na...          


Ele me cala com um beijo e o beijo dele é tão bom que me recusei de sair dos braços dele mesmo estando com um pouco de raiva eu não iria estragar aquele momento que estava tão lindo.

Paramos e ele olhou em meus olhos.

– Eu acordei tarde amor – disse ele com um sorrisinho de cafajeste.

– E porque não retornou minhas ligações quando acordou – perguntei.

– Ontem eu perdi meu celular ou fui roubado, mas depois eu compro outro.

– Você me deixou preocupado porra – sentei ao lado dele na cama.

– Te amo meu lindinho – disse ele deitando na cama.

Permanecemos em silêncio por um minuto e ficamos apenas sorrindo de lado um para o outro até que eu deito ao lado dele na cama e ele começa a passar a mão por cima da cueca, e eu não aguentei, perdi o meu controle e o beijo, pego em lugares onde eu sei que ele está gostando que eu esteja o tocando.

– Você me deixa louco – diz ele.

– Não o quanto você me deixa – falo ficando por cima dele.

Continuo o beijando até ele ficar por cima de mim e beijar meu pescoço, barriga...

Não sei se estava na hora de me entregar a ele por que eu não queria parecer fácil, e eu não sou fácil, mas ele foi tão gentil que eu deixei o momento rolar. Cada beijo, toque e ele me fez sentir um prazer que eu não sentia tem muito tempo.


Até que adormecemos nus, abraçados e o principal felizes.


Nunca me senti tão feliz estando ao lado de alguém.                     



CONTINUA...

sábado, 17 de janeiro de 2015

Diário de Caio/ Parte 7

Tem duas semanas que Alex e eu estamos namorando. Eu estou feliz por tê-lo em minha rotina, estou feliz por Ana ter voltado a ser a minha melhor amiga e resumindo ESTOU FELIZ.


Vejo Alex no colégio todos os dias, quando saímos da escola eu e a Ana vamos para a casa dela para conversarmos e depois de duas horas volto para a minha casa, faço minhas tarefas diárias e vou me encontrar com o Alex na casa dele, e quando não da para ir eu ligo e conversamos. Nessas duas semanas não houve nenhum sinal do Diogo.

E hoje é dia de ir para a escola, chego e a Ana está me esperando no portão. Entramos juntos, vamos para a sala e sentamos em nossas cadeiras que agora são lado a lado.
-– Hoje alguém vai com a gente para a minha casa – Ana falou.
– Quem? – perguntei curioso.
– O Marcos. Eu te falei dele tem uns dias.
– Tudo bem.

Marcos não era da nossa turma, e eu o via quase sempre nos corredores, porém nunca parava para falar com ele e achava normal já que não tínhamos nenhum vinculo.

A aula iria começar e Alex não tinha chegado e também não me ligou avisando porque não vinha, eu tentei não ficar preocupado.
As aulas foram tediosas somente aulas de calculo e sinceramente calculo é a coisa que mais odeio, porém finalmente terminou e eu e a Ana pudemos sair para ver o Marcos e ir para a enorme residência dela.

Chegando à casa da Ana começamos a conversar sobre o namoro e eu não sabia que Marcos era gay e tinha saído de um relacionamento tinha pouquíssimo tempo e disse que terminou porque já estava gostando de outra pessoa,
– Babado. Quem é a pessoa que você gosta agora? – pergunto Ana.
– Não sei se vocês o conhecem – respondeu Marcos. O nome dele é Diogo, ele estava fazendo faculdade um pouco longe daqui, mas voltou porque teve alguns problemas. Vocês conhecem?
– Conhecemos demais – respondi.
– O Caio conhece tanto que já namorou um bom tempo com ele – disse Ana. – Aproveita e da algumas dicas de como conquistar.
– Não. Ele é uma pessoa legal, mas eu não quero saber de nada que envolva ele – respondi.
– Eu não sabia que vocês foram namorados – disse Marcos. – Mas quero te pedir só o número dele.
– Depois a Ana te passa.

Deu à hora de ir embora, nós nos despedimos e fui, Marcos continuou lá com a Ana e no meio do caminho dou de cara com Diogo.
– Oi Caio – disse. Está tudo bem?
– Tudo ótimo.
– Já foi ver o namorado hoje?
– Sinceramente isso não é da sua conta.
– É sim – disse com uma voz de raiva. – E eu digo mais, você vai voltar a namorar comigo por bem ou por mal.
– Você vai ficar sonhando com isto – eu disse tirando o celular do bolso.
– Veremos – disse indo embora.


No mesmo momento em que ele vira as costas eu ligo para o Alex e cai na caixa postal, mudo a ideia de ir para minha casa e já que ele não da sinal de vida eu vou até a casa dele. 

CONTINUA...

sábado, 10 de janeiro de 2015

Diário de Caio/ Parte 6

– Oi Diogo – disse Alex.
– Oi – ele respondeu.
– Vocês se conhecem? – perguntei.
– Sim, nós somos primos – Alex respondeu. – A minha mãe é irmã da mãe dele.
– Cara – falei indignado. – Eu estou surpreso.
– Porque a surpresa? – perguntou Alex.
– Porque ele não sabia que o atual namorado dele é primo do namorado anterior – disse Diogo. – E já que ele encontrou alguém não vai querer voltar comigo, sendo que eu larguei tudo na outra cidade para ficar com ele.
– Diogo, eu não pedi para você fazer isto.  E vamos Alex, por favor.

Eu saí sem olhar para o Diogo, e fui para o carro do Alex e dois minutos depois Alex veio e me levou até em casa. No caminho eu tive que puxar assunto.
– Desculpa mesmo por isto.
– Não tem problemas – Ele respondeu com seriedade no rosto.
– Bem agora que conseguimos nos dar bem acontece isto. E você está tão serio que acho que nem vai querer levar a nossa relação à diante.
Ele não respondeu e eu me calei.

Quando ele parou o carro em frente a minha casa, virou-se e disse.
– Vou passar aqui às 20 horas.
Saí do carro e ele foi embora e nem deu tchau.

Entrei em minha casa e fui direto para o meu quarto ligar para a Ana e contar tudo que aconteceu.
– Que babado Caio – gritou Ana no telefone. – É uma pena isto acontecer bem agora que já estavam se entendendo.
– Foi isso que eu disse a ele quando ele me trouxe em casa, mas ele não deu a mínima atenção.
– Torço que hoje à noite tudo corra bem. Vou desligar aqui porque tenho que ir à casa do Marcos para passar a última atividade para ele por que ele não foi a escola desde a semana passada.
Ela desligou o telefone antes mesmo que eu dissesse tchau, aliás ninguém estava me dando tchau hoje. 

Faltava uma hora para o Alex vim me buscar, então eu fui dizer a meus pais que eu iria sair e não tinha hora para voltar, fui para o banheiro tomei um banho, coloquei a minha melhor roupa e sinceramente não estava esperando muito que a noite fosse boa por conta do que aconteceu a tarde e da última quase conversa que tivemos.

Quando o relógio bateu o horário a campainha tocou, eu muito alegre fui abrir a porta.
– Oi Alex.
– Vamos.

Fomos até o carro dele e ele me levou em um restaurante muito bonito, entremos, sentamos e ele começou a falar.
– Aquele dia quando eu fui a sua casa eu vi você abraçando alguém, e não deu para conhecer quem era, mas era o Diogo não é? – perguntou.
– Sim – respondi.
– Então porque você me disse que era um amigo?
– Porque se eu dissesse que era um ex-namorado você iria achar estranho estarmos juntos novamente. Não quero problemas entre a gente Alex.
– Ok Caio. Desculpa por ter te dado gelo o dia inteiro, eu não queria te deixar triste.
– Não precisa pedir desculpas.
– Eu só queria que imaginasse que essa noite não iria ser boa, que não imaginasse este momento.
– Que momento?
Caio, quer namorar comigo? 

Fiquei surpreso com o pedido porque sinceramente não esperava e olhando dentro dos olhos dele conseguir encontrar fôlego para respondê-lo:
– Sim, eu quero namorar com você. 

CONTINUA...

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Diário de Caio/ Parte 5

“Caio, se você está lendo isto agora é porque a Ana conseguiu fazer que tu lesses. É meio antigo ter que escrever, mas é a única forma que encontrei de expressar os meus sentimentos, e sinceramente eles são verdadeiros. Quando me mudei para está cidade eu já sabia que iria fazer amigos, mas a única coisa que não pensei foi em encontrar um amor assim tão de repente , e até demorou para eu aceitar isto que estou sentindo porque eu não sabia se você sentia o mesmo.


“Quero dizer que gosto muito de você. Conheço-te pouco, mas pelo pouco que conheço sei que também sente o mesmo, porém não tem coragem de expressar, mas eu posso está enganado em relação a isto.”

“ESPERO NÃO ESTAR ENGANADO, ENTÃO SE SENTE A MESMA COISA VENHA ATÉ A MINHA CASA NO MOMENTO EM QUE TERMINAR DE LER.”

Parei de ler, fechei e olhei para a Ana.
­– Você sabia disso o tempo todo vadia? – perguntei.
– Sabia sim – respondeu Ana. – Todos os dias que você saia cedo da casa do Alex, ele sempre perguntava como conquistar você.
– Então vai falando tudo Ana.
– No primeiro dia ele foi logo dizendo que estava sentindo algo por você, mas estava com medo de dizer e levar um fora. Ai no lugar de estudarmos nós conversamos sobre você, eu disse a ele como você é do que gosta.
– Espera – eu disse. – Você ainda lembra-se do que gosto?
– Sim. Você foi meu melhor amigo e agora eu irei continuar a falar sobre ele e não ouse me interromper – disse sentando-se em uma cadeira ao lado da minha. – Essas duas semanas eu só ouvi sobre você, ele dizia que queria te conquistar de pouco a pouco e como eu não tive nenhuma ideia melhor pedi para ele escrever algo e eu disse que entregaria.
– Tem uma coisa que está martelando em minha cabeça. Ele falou comigo que estava interessado em você.
– Ele disse isso para ver se sua reação seria boa ou ruim. Se a sua reação fosse boa, ou seja, de aprovação nós nem estaríamos conversando aqui agora, mas a sua reação foi tão ruim que tu foste embora da casa sem nem se importar com o trabalho.
– Obrigado Ana. Por ajuda-lo e por me ajudar também. Você não sabe o quanto eu gosto dele – disse e a abracei afinal estávamos voltando a sermos amigos novamente. – Você vai comigo a casa dele?
– Não. Você tem que ir sozinho.
Saímos do colégio juntos, ela foi para casa e eu decidi pegar um ônibus para chegar à casa do Alex. 

Quando entrei no ônibus vi que Diogo estava dentro e no mesmo momento que eu o vi ele me viu e decidi sair do ônibus e ir andando até a casa do Alex.

Saí o Diogo também saiu e veio correndo atrás de mim, eu como não queria parar para falar com ele decidi correr porque a única coisa que estava em minha cabeça agora era chegar à casa do garoto que fiquei pensando durante essas duas últimas semanas, e quando eu não aguentei mais correr, peguei um táxi e ai sim eu vi que Diogo não iria me alcançar.

Cheguei à casa do Alex e nem pensei em bater a campainha, fui logo entrando colocando a minha mochila no sofá e vi que não tinha ninguém na sala, eu fui ao quarto dele e quando abri a porta o vi deitado na cama  de camisa,  olhando para o teto, estava apenas me esperando. Quando me viu levantou-se veio até a mim e antes que eu dissesse algo ele me beijou.

Foi um beijo gostoso seguido de fortes abraços, está nos fortes braços dele fez com que eu esquecesse totalmente da minha vida lá fora e fiquei apenas ligado nele e naquele quarto que no momento era o meu mundo.

Paramos por um momento e ele ficou me olhando.
– Eu vim dizer que sinto a mesma coisa por você.
– E você não imagina o quanto estou feliz em ouvi isto – disse ele pegando em minha mão e me levando para sentarmos em sua cama.
– Desde que você começou a estudar em minha turma que eu me interessei por você. Eu só não sabia como te dizer isto Alex.
– E desde que sentei ao seu lado naquele dia quando entrei na sala eu me interessei por você.
– E quero te convidar para jantarmos hoje porque eu não aguento mais tomar sorvete – falou sorrindo.
– E eu aceito e tu podes me levar em casa agora? – perguntei.
– Claro.


Antes de sairmos do quarto nos beijamos novamente depois passamos pela sala peguei a minha mochila e quando ele abriu a porta Diogo estava lá de pé olhando diretamente para nós...



FIM DE TEMPORADA.
CONTINUA...
ACHOU QUE IRIA ACABAR AGORA NÃO É? :) 

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Diário de Caio/ Parte 4

– Aquele garoto é um amigo. E sinceramente Alex, eu esperei uma ligação sua, mesmo que fosse desmarcando e você não sabe como me senti ontem quando fui dormir e você não me mandou uma mensagem, mas você queria fazer uma surpresa e quando viu o garoto tirou conclusões precipitadas. 
– Então desculpa se eu tirei conclusões precipitadas.
– Do jeito que você fala da parece que queres algo comigo.

Ele não me respondeu nada e apenas ficou me olhando e quando cansou de olhar virou-se para o lado e viu uma cadeira vazia ao lado da Ana. Ele levantou-se e sentou-se perto dela e em nenhum minuto da aula olhou para a minha direção.

Eu fiquei um pouco triste porque eu não sabia se ele estava querendo algo comigo, ou se ele queria algo com a Ana, ele não deixava claro e isto já estava me confundindo e neste momento a professora foi entrando na sala e mandou que nos organizássemos para as apresentações do trabalho.

O meu grupo, ou melhor, o meu trio ficou por último e a professora disse que só precisava uma pessoa apresentar.
– Então eu apresento pelo meu grupo – disse Ana levantando-se.
– Pode se sentar Ana – disse a professora. – Do seu grupo quem vai apresentar é o Caio. Eu sei que você domina o assunto mocinha, mas algumas pessoas não podem se escorar nas costas dos outros para obter nota. Portanto pode ir se levantando Caio.
Eu levantei com cara de ódio, ódio de todos que estavam a minha volta, principalmente da professora. 

Olhei para os meus colegas e abri o meu caderno e quando eu iria começar a falar a professora me interrompeu.
– Não mesmo – falou com cara de reprovação.  – Fecha o caderno garoto, eu passei foi um trabalho e quero que seja ao menos bem apresentável se fosse para ler eu mesmo faria isto.
Ouvi algumas risadas da frente e ela nunca tinha feito isto com nenhum aluno. Eu fechei meu caderno, levantei a cabeça e comecei a falar.
– A revolução francesa trata de acontecimentos que acontecerem e mudaram a política do país entre 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799 e foi um dos maiores acontecimentos da humanidade. Neste intervalo de tempo, houve a convocação dos Estados Gerais, juntamente com a queda de Bastilha, além do golpe de estado de Napoleão Bonaparte, mais conhecido como 18 de Brumário. Foi a Revolução Francesa  que estimulou o início da Idade Contemporânea e seu principal benefício foi a eliminação da escravidão, a servidão e os direitos feudais, a promoção da liberdade e dos direitos individuais e da sociedade que foram conquistados. Mas antes de tudo isso acontecer na França ocorreu os sistemas de governo como ditadura, impérios e monarquia constitucional...
– Cale-se – disse a professora interrompendo-me. – Pode ir para o seu lugar.

Todos bateram palmas, a campa tocou e os meus colegas foram saindo da sala e eu nem vi a hora que o Alex saiu, e quando percebi só tinha eu e a Ana na sala.
– Parabéns – Disse a Ana andando em minha direção. – Você subiu em meu conceito novamente.
– E isto tem o que? – perguntei.
– Caio deixa de ser chato. Você não sabe o quanto eu sinto a sua falta e na verdade eu nem sei por que parou de falar comigo. Vamos até a sorveteria para conversarmos um pouco?

Olhei para o lado e vi que Alex esqueceu o caderno.
– Olha – apontei. – Alex esqueceu o caderno.
Ela foi até a cadeira que Alex estava e pegou e sem querer deixou cair fazendo um papel sair de dentro do caderno e cair no chão.
– Que papel é este?  – perguntei.
– Não sei – ela respondeu abaixando e pegando o papel do chão. – No título está escrito “Caio”.
Ela me deu o papel sorrindo e pediu que eu começasse a ler em um tom de voz em que nós dois ouvíssemos.

Fiquei animado e comecei a ler e dizia o seguinte... 

CONTINUA...

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Diário de Caio/Parte 3

Cheguei a minha casa e não tinha ninguém, fui direto para o quarto para estudar sobre a revolução francesa, ninguém sabia que este é o meu assunto favorito. Foi nesta época que inventaram uma grande maquina de matar a guilhotina, que serviu para matar o rei Luís XVI e a Rainha Maria Antonieta. Uma pena eu não conhecer alguém que tenha uma, a Ana merece tanto uma guilhotinada.

Mais tarde desci para jantar com meus pais depois parei um pouco para assisti e acabei pegando no sono no sofá. Acordei faltando uma hora para ir para o colégio.
Arrumei-me e deu para tomar o café e fui para o colégio. E Alex sempre chegava antes e guardava o meu lugar mesmo não precisando e as aulas eram chatas e entediantes.

E ao sairmos do colégio fomos novamente para a casa do Alex e ficamos por duas semanas assim. Nós íamos para a casa do Alex, eu inventava uma desculpa e vinha embora, mas faltando um dia para apresentar o trabalho decidi ficar na casa do Alex pelo resto do dia.  
– Caio, que milagre você querer ficar para terminarmos o trabalho – disse Alex.
– Último dia não é? Eu quero terminar junto com vocês – respondi.
– Acho que não estudou nada – disse Ana. Vai passar vergonha quando a professora perguntar algo.
– Talvez sim Ana, mas talvez eu possa te surpreender. Você acha que só você é inteligente?
– Ok gente vamos acalmar e terminar os trabalhos e irmos para a sorveteria. Que tal? – Perguntou Alex.
– Tanto faz. O único lugar que quero ir com essa garota ai é para um campo de concentração porque ela está me tirando do serio.

Terminamos os trabalhos e fomos para a sorveteria, e como eu não estava me sentindo bem com a situação e quis ir para casa.
– Alex, eu estou indo embora – eu avisei.
– Ok. Posso passar na sua casa a noite para irmos ao cinema? – Alex perguntou.
– Pode sim. Já tem um tempo que eu não saio à noite pode passar sim. Só é eu e você não é?
– Sim. A Ana não pode ir.
– Sorte sua que não posso ir – disse a Ana com cara de sínica.
– Pronto. Vou te ligar uma hora antes para podermos combinar direito.
Vim para a casa e fiquei pensando nele e estava muito feliz em sair com ele, minha mãe até estranhou minha felicidade.
– Por que está tão feliz? – Perguntou ela. Não te via assim desde que namorava com Diogo.
– Aconteceu uma coisa perfeita mãe, e eu não posso te contar agora.
E fui para o meu quarto. Meus pais sempre desconfiaram da minha sexualidade, mas teve um dia que eu decidi assumir. A reação dele foi como a de todos os pais só que depois de um tempo voltamos a ser aquela família linda.

Faltando uma hora para irmos ao cinema o Alex não ligou. Decepcionei-me muito com ele, mas a campainha tocou e quando eu abri era o Diogo.
– Oi – eu disse surpreendido.  Entra.
Antes de ele entrar demos um abraço. Ele entrou sentou-se no sofá e eu fechei a porta.
– Então. Eu fiquei surpreso de te ver aqui Diogo.
– Eu disse que eu vinha ver você não disse? Agora estou aqui. E cadê seu pai e a sua mãe? Também sinto falta deles. Do tempo que a gente namorava.
– É aqueles tempos foram bons, mas os tempos mudaram não é? Você se foi e eu fiquei aqui...
– Mas agora eu voltei – Interrompendo –me. Eu estou aqui e agora podemos voltar novamente.
– Diogo, os tempos mudaram e eu tenho que pensar sobre você. Eu conheci outro alguém e possa ser que role com ele.
O celular dele tocou e era o irmão dele falando que era aconteceu um problema em casa e ele precisava ir.
– Agora eu preciso ir, mas essa história de você conhecer outra pessoa. Vamos ter que conversar sobre isto também.

Ele foi e eu fui para o meu quarto dormir e também pensar no bolo que o Alex me deu e acabei pegando no sono.

No outro dia cheguei ao colégio e era o dia de apresentar o trabalho. Cheguei e ele estava sentado no mesmo lugar, mas não guardou o meu. Eu sentei e perguntei:
– Você disse que iria me ligar para irmos ao cinema porque não me ligou? – perguntei.
– Pensei em não ligar e fazer uma surpresa – Disse.  Mas quando eu sai do meu carro vi você na porta da sua casa abraçando um cara ai decidi ir embora.

CONTINUA...

domingo, 28 de dezembro de 2014

Diário de Caio/Parte 2

Demorei muito a dormir. Quando estamos ansiosos demoramos a pegar no sono, mas acabei apagando e só voltei a acordar porque minha mãe veio me chamar.

- Acorda Caio – Gritou minha mãe batendo na porta. – Já está tarde então levante e venha tomar o seu café.

Quando acordei e olhei para o relógio não tinha nem como eu tomar o café. Acordei, fui direto para o banheiro escovar meus dentes e sai para o colégio.

 Quando cheguei no colégio já tinha começado a aula, entrei e ele estava lá na cadeira ao lado da que eu sempre sentava e ele deixou a mochila dele em cima, e quando eu entrei ele me olhou e foi tirando a mochila dele de cima da cadeira e eu coloquei a minha e olhei para Alex e ele falou:
– Achei que não viria hoje – Sussurrando. – Você chega tarde assim?
– Não. – Respondi – Foi porque eu acabei dormindo tarde ontem.

Paramos de nos falarmos para prestar a atenção na aula, e a professora decidiu passar um pequeno trabalho sobre a revolução francesa. Eu fiquei muito animado querendo que o trabalho fosse em dupla para que eu pudesse fazer com o Alex sozinhos na minha casa ou na casa dele, porém não foi como eu queria , o trabalho foi em trio e ficamos eu o Alex e a Ana.

Ao termino da aula, Alex queria fazer logo o trabalho então fomos todos para a casa dele e discutimos sobre a revolução francesa nós dois e a Ana.

A Ana era uma garota que eu tinha conhecido há uns sete anos atrás ela era inteligente, bonita, magra, alta e tinha um charme do caralho que fez o Alex ficar olhando para ela e quase babar. Eu e ela ficamos amigos por uns dois anos, e fomos melhores amigos mesmo, mas ela começou a andar com umas meninas e me deixava de lado ai fomos perdendo o contato.

– Vocês já estudaram sobre revolução francesa não é?  - Perguntou Ana.
– Sim – Respondi.
– Eu nunca estudei Ana. – Disse Alex – fala aí como foi essa revolução?

Ela ficou explicando para ele como foi à revolução. Eu já tinha percebido que o Alex estava de olho nela, e tudo que eu tinha imaginado começou a ser apagado, mas ainda bem que foi no começo do sentimento. Até que ela precisou ir ao banheiro o que foi ótimo porque ele veio e falou comigo.

– Ela é linda não é? –Perguntou.
– Sim. – Respondi.
– Mas não rolaria nada entre a gente.
– Por quê? – Perguntei curioso.
– Não sei se ela me daria uma chance – Disse. – Cara olha para ela além de linda é inteligente.
Paramos de conversar quando ela voltou para a sala. Como eu não queria ficar entre os dois eu queria ir para casa.
– Quero ir embora – Falei. – Não estou me sentindo bem. Estudarei em casa.
– Ok – Disse Alex. – Nos veremos amanhã no colégio.
– Estude mesmo viu Caio – Disse Ana. – Não quero a ver a professora perguntando e você 
respondendo com respostas curtas.

Dei de ombros e fui embora.

Já do lado de fora pensei que ele poderia ter dito para eu ficar, mas disse apenas um ok. Continuei 
andando e de cabeça baixa que acabei esbarrando em um garoto, e sorte que foi um garoto que eu conhecia.

– Diogo – Eu disse. – E ai como está? Quanto tempo que não te vejo.
– Estou bem Caio – Respondeu.  – E você como está? Namorando muito?
– Não. O meu último namorado teve que ir embora porque o lugar que ele iria fazer faculdade fica em outra região, e agora eu me pergunto o porquê ele está aqui em minha frente.
– Então Caio – Pensou bem para falar. – Não deu certo. Estou de volta e qualquer dia desse passo lá em sua casa para podermos conversar.

Abraçamo-nos e o abraço durou uns dois minutos trocamos algumas palavras carinhosas e ele foi embora. Quando dobrou a esquina continuei o meu caminho.

Diogo era um homem lindo, e já tinha um ano que tínhamos terminado. Ele foi um cara que amei muito por conta de sermos sinceros um com o outro, e ele foi perfeito comigo do começo ao fim da relação, e como eu disse tínhamos terminado por conta da distancia que iriamos ficar um do outro. E eu estava disposto a dar a ele uma nova chance porque Alex já provou que não quer nada comigo.


CONTINUA...

Diário de Caio/Parte 1

Meu nome é Caio e eu era um garoto tímido e também um garoto indeciso. Antes dele aparecer em minha vida.
Eu estudava em um colégio perto da minha casa eu ia e vinha todos os dias sozinho, já tive alguns amigos, mas depois de um tempo todos eles se afastavam deve ser porque quando não temos nada a oferecer não conseguimos a amizade de pessoas vazias.

Todos os dias no colégio eu sentava na mesma cadeira e quando alguém me perguntava algo eu dava respostas curtas até quando era a professora.

Só que um dia tudo mudou.

Entrou um garoto lindo na sala, e aparentava ter a mesma idade que eu uns 16 anos. Ele entrou, fechou a porta e sentou ao meu lado no fundo da sala e quando ele acabou de se sentar a professora disse:

– Pessoal este é o Alex. Ele mudou para a nossa cidade tem pouco tempo – Falou olhando fixamente para o Alex – E por problemas pessoais vai terminar os estudos aqui. Deem boas vindas ao seu novo colega.

A sala inteira deu as boas vindas com o maior desanimo menos eu, eu era o mais animado, mas estava com vergonha de falar com ele até porque nunca puxei papo com ninguém. Até que toca para o intervalo e ele me olha e diz:

– Vamos da uma volta no colégio? – Perguntou ele ao mesmo tempo em que estava arrumando seus materiais na mochila – Você vai comigo? Aproveita e me apresenta o colégio tu entende né? Preciso me acostumar é só por este ano.
– Então vamos. Eu te apresentarei o colégio e não que queira saber, mas meu nome é Caio.

O colégio não era muito grande, mas deu para mostrar a ele várias coisas. Onde era a cantina, secretária, sala dos professores e o principal banheiro. Tentei disfarçar o máximo possível porque eu não queria que ele percebesse que eu estava sentindo uma pequena atração por ele e a propósito ele tem um rosto tão lindo e tem um corpo bem definido.

Ao termino do intervalo voltamos para a sala para podermos pegar nossas coisas e ir embora porque não iria ter as últimas aulas.

Ao sairmos do colégio como ainda estava cedo aproveitamos para tomar um sorvete e bater um papo antes de ir embora.

– E ai Caio? – Perguntou dando uma colherada no sorvete  e lavando até a boca. Eu juro que naquele momento queria ser aquele sorvete - A quanto tempo você mora aqui?
– Desde que nasci. Todos os finais de ano viajo com os meus pais para outra outras cidades, mas nunca pensamos em nos mudar está – Falei e não conseguia tirar os olhos dele por um minuto – Está cidade significa muito para os meus pais.
– Qual motivo para gostarem tanto? – Perguntou Alex.
– Foi aqui onde se conheceram e para tu teres uma ideia foi nesta mesma sorveteria só que a sorveteria era mais velha claro e o dono do estabelecimento também mudou.
– E?
– Eles se apaixonaram e depois de dois anos me conceberam.

Alex deu um pequeno sorriso, pequeno mais dava para iluminar uma cidade inteira. Ele me contou sobre ele, que os seus pais tiveram que vir morar aqui por conta de que seu pai foi transferido para uma das empresas da cidade e que pelo que conheceu estava gostando. Conversamos bastante que nem percebemos que passamos três horas na sorveteria. Tínhamos que ir para casa nos despedimos com um abraço que duraram vinte segundos, mas se eu pudesse faria durar para sempre.


Cheguei em casa e pensei nele, e a única coisa que eu queria era que o outro dia começasse logo para eu poder ver ele na escola. 

CONTINUA...

Diário de Caio / FINAL :'(

Já tem três semanas que vi o Diogo, eu soube até que ele e o Mateus estão juntos. Gostei de disso por que é ótimo saber que ele seguiu em f...